This site uses cookies. By continuing to browse the site you are agreeing to our use of cookies. Read our privacy policy>

Se precisar de ajuda, clique aqui:

Conectando as pessoas às finanças: A importância da transformação digital durante a crise do COVID

A crise do COVID-19 levou a uma aceleração sem precedentes da transformação digital no setor dos serviços financeiros.

Como as medidas de auto isolamento foram implementadas globalmente no início de 2020, os departamentos bancários de tecnologia da informação (TI) tiveram de implementar rapidamente medidas e políticas rigorosas para que a maioria do pessoal pudesse trabalhar a partir de casa. Simultaneamente, os departamentos foram obrigados a garantir que os sistemas fossem robustos e capazes de lidar com a crescente demanda e picos no uso do banco online e de aplicativos móveis pelos clientes.

Estas mudanças — provocadas pelo COVID-19 — afetaram todas as organizações de diferentes maneiras. Algumas empresas têm lutado com uma falta de escala e financiamento, no entanto, muitos bancos e empresas de tecnologia financeira desafiadoras (FinTech) têm, de fato, capitalizado em sua natureza nativa da nuvem, digitalmente flexível, atenuando suas perdas potenciais como as agências bancárias se tornaram, pelo menos temporariamente, redundantes.

De fato, as instituições históricas, muitas vezes sobrecarregadas por sistemas antigos, foram obrigadas a aumentar significativamente o investimento em infraestruturas tecnológicas para se manterem relevantes no mercado. Aqueles que já tinham feito tais investimentos, antes do início da pandemia, estão começando a colher os benefícios da sua eficiência operacional e as recompensas da sua resiliência.

Perspectivas de Digitalização do Banco Itaú

Sendo o maior banco da América Latina, o Banco Itaú opera em mais de 20 países, investindo cerca de US$ 2 bilhões em Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (P&D) a cada ano.

O Diretor de Tecnologia do Banco Itaú, Fábio Napoli, explica que, dentre os 84.000 funcionários, 55.000 precisavam ser instalados para trabalhar remotamente.

"Costumávamos ter 3.000 pessoas trabalhando em casa diariamente. Em resposta à pandemia, este número saltou para 22.000 no espaço de uma semana - nós oferecemos o equipamento necessário para que isso acontecesse, incluindo modems 4G, bem como material de escritório, cadeiras e mesas."

Felizmente, o banco já estava no caminho certo para se tornar totalmente digitalizado, com foco na melhoria do serviço ao cliente. No entanto, dadas as restrições de afastamento social que subitamente se tornaram necessárias, essa estratégia precisou ser revisada.

"Nós entendemos que a interação com caixas em agências e tecnologias bancárias tradicionais, tais como caixas automáticos (ATMs), são coisas que as pessoas vão continuar a usar e querer. No entanto, quanto mais pudermos disponibilizar auto serviços e oferecer às pessoas canais digitais, melhor. É isso que a Itaú se esforça para alcançar", comenta Napoli.

"O Itaú entende que é uma empresa de tecnologia, e sem tecnologia não será capaz de evoluir e oferecer os produtos que o mercado exige", afirma Napoli, acrescentando: "Uma vez que temos forte concorrência com as empresas FinTech, o banco entende que a transformação digital é crucial para se manter relevante."

Capacidade do Data Center

Em 2014, o banco construiu dois data centers de grande escala. No entanto, seus dispositivos aqui não conseguiam lidar com os requisitos para a expansão de serviço em curso nos últimos anos.

As equipes exigiam uma execução estável e confiável para os sistemas de serviço, mas a arquitetura de armazenamento estava se tornando desatualizada, com garantias expiradas na rede ao vivo e uma alta taxa de falhas de componentes causando mais complicações.

O Itaú realizou testes de avaliação de conceitos (PoC) para produtos alternativos, tendo verificado que a solução da Huawei tinha um desempenho de armazenamento estável, com a sua tecnologia RAID-TP (Redundant Array of Independent Disks Triple-Parity) que tolera falhas simultâneas de três discos sem interromper os serviços.

Ultrapassar os estrangulamentos de armazenamento foi um dos principais imperativos do banco. A eficiência do sistema tinha sofrido com a alocação de desempenho que não correspondia ao sistema de serviço, com o Sistema de Análise Estatística (SAS) restringindo o sistema de serviço de base para cartões bancários pessoais.

Antes de implantar a tecnologia de data center da Huawei, o Banco Itaú usou 154 conjuntos de dispositivos de armazenamento de rede, ocupando espaço de gabinete significativo em seus três data centers. No entanto, isso forneceu apenas 36,9 PB de capacidade disponível, enquanto os dispositivos e sistemas de refrigeração consumiram enormes quantidades de energia, aumentando o Custo Total de Propriedade (TCO).

O Huawei OceanStor All-Flash Arrays (AFAs) reduziu o consumo de energia para dispositivos e sistemas de resfriamento em 45% e os custos de manutenção em 65%.

Tecnologia de Armazenamento All-Flash

O superintendente de operações de TI do Banco Itaú, Augusto Stracieri, explica que sua equipe sempre tentou ser inovadora. Neste caso, foi em meados de 2017 que eles começaram a olhar para a tecnologia all-flash, mas levou tempo para se preparar para tal atualização.

"No ano passado, nossos estudos começaram a apontar que a tecnologia totalmente em flash estava madura o suficiente para uma evolução suave. Começamos a ver que, a partir da compressão, redução de dados, resiliência e qualidade dessas soluções, um equilíbrio entre desempenho, custo e eficiência poderia ser feito."

Augusto continua: "A Huawei demonstrou um alto nível de iniciativa, competência técnica e esforço para colocar o equipamento em operação – mesmo diante do pano de fundo da pandemia do COVID-19."

A solução OceanStor Dorado foi entregue em março de 2020, antes do prazo previsto e, crucialmente, antes da pandemia realmente acontecer no Brasil.

"O OceanStor Dorado V6 está se comportando melhor do que o esperado em relação à taxa de redução de dados e ao desempenho”, acrescenta. "Nós ainda estamos iniciando migrações, mas já podemos observar o melhor desempenho, e todos aqui atestam o investimento feito no OceanStor Dorado V6 da Huawei."

0 visualizações

(0 opiniões)

Gostou da história? Dê sua opinião.

0/500

Deixe seu comentário aqui.
Enviar

0  comentários

    Mais conemtários

      Opinião enviada com sucesso

      Enviado com sucesso

      Falha na avaliação

      Falha no envio

      Por favor, deixe seu comentário primeiro.